Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.mar.mil.br/handle/ripcmb/451305
Título: A busca pela autonomia na indústria defesa: o caso brasileiro.
Orientador(es): Pinto, Ítalo de Melo
Autor(es): Sineiro, Guilherme da Silva
Palavras-chave: Defesa
Operações Militares
Combate
Estratégia
Data do documento: 2014
Editor: Escola de Guerra Naval
Descrição: O presente trabalho identifica as ações, a estrutura e o potencial de contribuição do setor de CT&I da MB para a busca de autonomia das indústrias de defesa brasileiras. É realizado um estudo descritivo qualitativo do contexto histórico do tema, da experiência da MB e do atual ambiente externo e interno à Força. Com base nestes ambientes, é apresentado um roteiro genérico para desenvolvimento de tecnologias que propiciaria o atingimento do objetivo do trabalho. A história demonstra que o poder dos Estados está diretamente relacionado à sua capacidade de produzir tecnologias de emprego militar que propiciem a vantagem estratégica. O desenvolvimento científico e tecnológico vem sendo utilizado sistematicamente para o domínio de tecnologia de emprego militar e sua aplicação a produtos de defesa. Os modelos de sucesso empregados mundialmente para gerenciar o setor produziram grande distanciamento tecnológico entre os Estados detentores de tecnologia de ponta e os demais. No Brasil, o setor de ciência, tecnologia e inovação das Forças Armadas tem contribuído no desenvolvimento de protótipos que foram transformados em produtos pelas indústrias de defesa. Com a existência de um arcabouço político, legal e de fomento favorável à BID elevando-se em conta a preparação da infraestrutura e os sistemas de governança dentro da MB, é estabelecido um roteiro que descreve as possibilidades de contribuição do setor de CT&I da Força com a busca de autonomia das indústrias de defesa brasileiras, a partir de critérios de avaliação do nível de maturidade tecnológica (NMT), cumprindo, desta forma, o objetivo proposto.
Abstract: This paper identifies the areas, the structure and the possible contribution of the BrazilianNavy Science, Technology and Innovation (ST&I) sector with the quest for autonomy of theBrazilian defense industry. A descriptive qualitative study is made of the historical context ofthe theme, the experience of Brazilian Navy and its current external and internal environment.Based on these environments, a road map is presented for generic technology developmentthat facilitates the achievement of the stated purpose of the monograph. History demonstratesthat the power of States is directly related to their ability to produce military technologies thatprovide strategic advantage. Scientific and technological development has been systematicallyused to master military technology and its application to defense products. The successfulmodels employed worldwide to manage military ST&I produced a large technological gapbetween state-of-the-art military technology owner states and others. In Brazil, Armed ForcesST&I sector has contributed in the development of prototypes that have been processed intoproducts by defense industries. With the existence of a political, legal and funding frameworkfavorable to Industrial Defense Base and taking into account the preparation of infrastructureand governance systems within Brazilian Navy, a road map is established that outlines thepotential contribution of Brazilian Navy ST&I sector to the autonomy of Brazilian defenseindustries, based on technology readiness level (TRL) assessment criteria. thus fulfilling theproposed objective.
URI: http://www.redebim.dphdm.mar.mil.br/vinculos/000002/0000027a.pdf
http://repositorio.mar.mil.br/handle/ripcmb/451305
Aparece nas coleções:Defesa Nacional: Coleção de Trabalhos de Conclusão de Curso
Operações Navais: Coleção de Trabalhos de Conclusão de Curso

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
0000027a.pdf1,15 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.