Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.mar.mil.br/handle/ripcmb/844283
Título: Guerra das Malvinas: o impacto geopolítico do conflito no relacionamento entre a Armada da República da Argentina (ARA) e a Marinha do Brasil (MB)
Orientador(es): Gonçalves, Williams da Silva
Autor(es): Moreira, Artur Luiz Santana
Palavras-chave: O - PATRIMÔNIO HISTÓRICO E CULTURAL (DGPM-305)
O5 - HISTÓRIA (DGPM-305)
Guerra das Malvinas
Brasil
Argentina
Marinha do Brasil
Armada da Argentina
Data do documento: 2008
Editor: Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ)
Citação: MOREIRA, Artur Luiz Santana. Guerra das Malvinas: o impacto geopolítico do conflito no relacionamento entre a Armada da República da Argentina (ARA) e a Marinha do Brasil (MB), Brasil, 2008, 214 f. Dissertação (Mestrado em História) – Programa de Pós-Graduação em História do Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2008.
Descrição: Por meio de tradicionais e novos conceitos da Geopolítica, são analisadas as especiais circunstâncias que cercaram as relações entre a Argentina e os principais países do mundo desenvolvido, os EUA e parte da Europa, durante a Guerra das Malvinas, para, a partir desse mesmo ferramental conceitual, verificar como esse episódio teve seu impacto nas relações de Brasil e Argentina na América do Sul. Os principais acontecimentos políticos, táticos e logísticos desse conflito são descritos para auxiliar nessa análise feita. A partir desse ponto de inflexão na história sul-americana, utiliza-se o conceito de Medidas de Confiança Mútua (MCM) para se verificar como as Marinhas de Brasil e Argentina intensificaram suas relações dentro do novo marco geopolítico acordado entre os dois países. São descritos os sucessos dessa política de aproximação em cinco fases históricas distintas, didaticamente elaboradas: duas anteriores à própria Guerra das Malvinas, e três posteriores. Destacam-se, neste estudo, justamente, as três últimas fases. Ou seja, a terceira fase, após a Guerra das Malvinas, onde são descritos, dentre outros aspectos, os encontros estratégicos organizados pelo EMFA (Brasil) e pelo EMCFA (Argentina) no final da década de 80 do século passado; a quarta fase, ao longo da década de 90, por ter sido o período em que as principais MCM de sucesso ocorreram; e a quinta fase, já na virada do milênio, onde são discutidos os limites atuais das MCM que vêm sendo adotadas e as possíveis perspectivas futuras. A primeira e a segunda fases situam-se ainda nos períodos iniciais e intermediários da Guerra Fria, mas, por já existirem ali algumas MCM embrionárias entre as Marinhas de Brasil e Argentina, importantes para desdobramentos futuros, estas fases têm também discutidas as suas importâncias históricas. Enfatiza-se que, na primeira fase, os principais episódios ocorreram sob grande influência dos EUA, enquanto, na segunda fase, já se constatava uma ligeira autonomia regional nas medidas adotadas.
Dissertação apresentada, com requisito para obtenção do título de Mestre, ao Programa de Pós-Graduação em História do Instituto de Filosofia e Ciências Sociais, da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Área de Concentração: História Política.
Abstract: There are analyzede, by means of traditional and new concepts of geopolitics, the special circumstances that surrounded the relations between Argentina and the main developed countries, the United States and part of Europe, during the Malvinas War, in order to, based on such conceptual tool, exam, how such episode impacted the Brazil-Argentina relations on South America. The main political, tactic and logistic events are described to help with the analysis. As of this turning point in the South-American history, it is used the concept of Mutual Confidence Measures (MCM) to verify how the Brazilian and Argentinean Navies intensified their relations in the new giopolitics milestone agreed upon between both countries. There are described the successful events in such approaching policy and politics in five different phases, didactically worked out: two prior to the Malvinas War and three afterwards. This study high lights precisely the three last phases, i.e., the phases after the Malvinas War. In the third phase, there are described, among other aspects, the strategic meetings organized by the EMFA (Brazil) and the EMCFA (Argentina) at the end of the 1980s; in the forth phase, are highly emphasized the 1990s since this is the period during which most of the MCM succeeded; and, in the fifth phase, already at the turning of the millennium, the current limits of the MCM, that are being adopted, are discussed, as well as the possible perspectives for the future. The first and second phases are the ones still during the beginning and intermediate periods of the Cold War. These phases are also discussed because they already presented some embryonic MCM policies between the Brazilian and Argentinean Navies, important for the way the events unfolded later on. In the first phase, there are stressed the main episodes that took place under the influence of the US, while, in the second, one can already notice a slight regional autonomy in the measures adopted.
URI: http://repositorio.mar.mil.br/handle/ripcmb/844283
Aparece nas coleções:Patrimônio Histórico e Cultural: Coleção de Dissertações

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
Dissertacao_ Artur Luiz.pdf1,33 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Este item está licenciada sob uma Licença Creative Commons Creative Commons