Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.mar.mil.br/handle/ripcmb/844176
Título: Prevalência da disfunção temporomandibular em idosos: revisão de literatura
Título(s) alternativo(s): Prevalence of temporomandibular dysfunction in elderly: literature review
Orientador(es): Leitão, Natasha da Silva
Quaglio, Camila L.
Porto, Elaine
Guimarães, Antônio Sergio
Palavras-chave: Q - SAÚDE (DGPM-305)
Q9 - ODONTOLOGIA (DGPM-305)
Epidemologia
Síndrome da Disfunção da Articulação Temporomandibular
Data do documento: 2017
Editor: Revista Naval de Odontologia
Descrição: Esta Revisão de Literatura tem por objetivo investigar a prevalência de disfunção temporomandibular (DTM) em idosos. A busca foi feita pela base de dados PubMed, entre janeiro e maio de 2016, com os seguintes descritores: Temporomandibular Join Disorders; Temporomandibular Joint; Temporomandibular Joint Dysfunction Syndrome; Aged ; Frail Elderly; Age Groups; Geriatric Dentistry; Epidemiology, com critérios de inclusão e exclusão que objetivaram avaliar a prevalência de disfunção temporomandibular en idosos. Foram selecionados 17 estudos, dos quais quatro consistiam em estudos longitudinais, oito avaliaram os sinaise sintomas da disfunção temporomandibular, dois os sintomas de disfunção temporomandibular e sete discorreram sobre a prevalência de disfunção temporomandibular nos idosos. As amostras variaram de 44 a 8.619 indivíduos e houve uma maior prevalência de disfunção temporomandibular no gênero feminino. Os estudos mostraram que a prevalência de disfunção temporomandibular em idosos é baixa e que os sinais e sintomas diminuem com o aumento da idade. Em função da heterogeneidade das amostras, da metodologia diversificada, da falta de protocolo de avaliação dos sinais e sintomas de disfunção temporomandibular e os diversos métodos diagnósticos deve-se ter a cautela na interpretação desses resultados. Concluiu-se que os estudos com a população idosa ainda são inconsistentes, mostrando uma baixa prevalência de disfunção temporomandibular em idosos, dos sinais e sintomas e da severidade da disfunção temporomandibular, que tendem diminuir com o aumento da idade.
Abstract: This Review of the Literature aimed to investigate the prevalence of TMD in the elderly. The search was done by PubMed database, between January and May 2016, whith the following descriptors: Tempomandibular Joint Disorders; Temporomandibular Joint; Temporomandibular Joint Dysfunction Syndrome; Aged; Frail Elderly; Age Groups; Geriatric Dentistry; Epidemiology, whith the inclusion criteria that aimed to evalute the prevalenceof TMD in the elderly. Exclusion criteria were clinical case studies or literature review, theses, monographs, abstracts presented at events, duplicate articles evaluating other orofacial pain and TMD in the elderly with neurological diseases, rheumatologic diseases, and emotional or phychological problems. Seventeen studies were selected, four of wich consisted of longitudinal studies, eight assessed TMD sings and symptoms two TMD symptoms, and seven reported the prevalence of TMD in the elderly Samples ranged from 44 to 8,619 and there was a higher prevalence of TMD in females. Studies have shown that the prevalence of TMD in the elderly is low and that the signs and symptoms decrease with increasing age. However, heterogeneity of samples, the diversified metodology, lack of protocol for evaluation of TMD sings and symptoms and the interpretation of these results. It was conclued that further studies should be performed based on evidence with standardized and validated diagnostic criteria to investigate the presence of such disordes during the tratament of elderly patients.
URI: http://www.redebim.dphdm.mar.mil.br/vinculos/00001c/00001c8f.pdf
http://repositorio.mar.mil.br/handle/ripcmb/844176
Aparece nas coleções:Saúde: Coleção de Artigos

Arquivos associados a este item:
Arquivo TamanhoFormato 
00001c8f.pdf11,21 MBAdobe PDFVisualizar/Abrir


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.