logo-ri

Repositório Institucional da Produção Científica da Marinha do Brasil (RI-MB)

Please use this identifier to cite or link to this item: https://www.repositorio.mar.mil.br/handle/ripcmb/845170
Title: A importância da Marinha do Brasil para o fortalecimento do soft power do Estado Brasileiro junto à Organização Marítima Internacional
Authors: Zampieri, Henrique de Lima
metadata.dc.contributor.advisor: Rodrigues, Claudio M.
Keywords: Organização Marítima Internacioanal
Soft power
Poder Naval
DGPM knowledge areas: Assuntos marítimos e portuários
Issue Date: 2020
Publisher: Escola de Guerra Naval (EGN)
Description: Conhecimento é poder. A cada ano, o ritmo de transformações baseado em conhecimento se intensifica, provocando mudanças significativas que vêm afetando diversos setores, incluindo o setor marítimo internacional (shipping), responsável por cerca de 80% do funcionamento da economia mundial. Por tratar de uma atividade sem fronteiras, que utiliza embarcações, terminais portuários e tripulantes de diversas nacionalidades para sua execução, o shipping se reveste de profunda interdependência, ao passo que necessita de eficaz governança para uma operação segura, ambientalmente sustentável e economicamente viável. Tais conceitos são praticados, à exaustão, na Organização Marítima Internacional (IMO), integrada por 174 por Estados membros, principais atores do Sistema Internacional, por 63 Organizações Intergovernamentais e por 80 Organizações Não Governamentais. Em um fórum no qual predominam a busca contínua por consenso e a adoção dos melhores padrões técnicos para o setor marítimo, os Estados membros buscam influenciar agendas. Tal comportamento se baseia na atração e na persuasão, características da forma de poder conhecida, atualmente, como soft power. Inovações tecnológicas marítimas como o emprego de navios não tripulados e o desenvolvimento de soluções efetivas outras para a propulsão de navios que os combustíveis fósseis vêm sendo amplamente discutidas na IMO. Tais temas, contudo, não devem ficar restritos a Estados com forte predominância no setor da Ciência, Tecnologia e Inovação (CT&I). Países como o Brasil, com profunda dependência do mar para trocas comerciais que assegurem seu crescimento e desenvolvimento, precisam estar inseridos no contexto de contribuintes para o desenvolvimento de CT&I no shipping. Para atingir esse propósito, o presente Trabalho, descritivo e analítico, verificará, por meio de pesquisa bibliográfica, medidas que poderiam ser adotadas pela Marinha do Brasil (MB), gerenciadora do Estado brasileiro junto à IMO, para que relevante contribuição científico-tecnológica seja apresentada naquela Organização e, consequentemente, que o País consiga elevar seu soft power. Iniciativas voltadas para uma atualização de políticas de Estado nacionais relacionadas ao setor marítimo; para o fomento da Tripla Hélice nacional, com forte incentivo da MB; e para o aporte de colaborações substantivas na área de CT&I, prestadas pelas Instituições Científicas, Tecnológicas e de Inovação da MB, certamente concorrerão para o aumento da projeção do Brasil junto aos atores que operam na IMO.
Abstract: Knowledge is power. Over the years, the pace of transformations based on knowledge intensifies, causing relevant changes that have been affecting several areas, including the shipping, responsible for around 80% of the global trade. As an activity with no borders, which uses ships, port terminals, and crew members from different nationalities, shipping is deeply interdependent, while it needs effective governance to perform a safe, environmentally sustainable, and economically viable operation. These concepts are practiced, in exhaustion, in the International Maritime Organization (IMO), comprised of 174 member States, main actors of the International System, 63 Intergovernmental Organizations, and 80 Non-Governmental Organizations. In a forum in which the continuous pursuing consensus and the adoption of the best technical standards for the maritime sector reign, the member states fully seek to influence agendas. This influence can be achieved based on attraction and persuasion, characteristics of a form of power known as soft power. Marine technological innovations such as the use of unmanned ships and the development of other effective solutions for the propulsion of vessels have been widely discussed at IMO. Such themes, however, should not be restricted to states with a strong predominance in the Science, Technology, and Innovation (STI) sector. Countries like Brazil, with deep dependence on the sea for commercial exchanges that ensure its growth and development, need to be inserted in the context of contributors to the development of STI in shipping. To respond to this purpose, the present work, descriptive and analytical, intends to verify, through bibliographic research, measures that could be adopted by the Brazilian Navy, representative to Brazil at IMO, so that a relevant STI contribution can be delivered to that specialized agency of the United Nations and, consequently, the country increase its soft power. Initiatives aimed at updating national state policies related to the maritime sector; for the promotion of the domestic Triple Helix, with strong Navy incentive; and the contribution of STI assets, provided by the Navy´s Scientific and Technological Institutions, will certainly increase the Brazil projection among the actors that operate at IMO
Access: Open access
URI: http://www.repositorio.mar.mil.br/handle/ripcmb/845170
Type: Bachelor thesis
Appears in Collections:Ciência, Tecnologia e Inovação: Coleção de Trabalhos de Conclusão de Curso

Files in This Item:
File Description SizeFormat 
ZAMPIERI- C-PEM 2020.pdf1,13 MBAdobe PDFThumbnail
View/Open


Items in DSpace are protected by copyright, with all rights reserved, unless otherwise indicated.