Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.mar.mil.br/handle/ripcmb/844596
Título: Eficiência fotoquímica de algas calcárias em um banco de vida livre
Autor(es): Lima, Géssica S. P.
Duarte, Heitor M.
Tâmega, Frederico T. S.
Coutinho, Ricardo
Workshop REDE ALGAS, 007., 2019, Arraial do Cabo (RJ)
Palavras-chave: V – CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO
V5 - ECOLOGIA MARINHA
ALGA MARINHA
Data do documento: 2019
Editor: Instituto de Estudos do Mar Almirante Paulo Moreira
Abstract: As algas calcárias (Rhodophyta, Corallinophycidae) são organismos que possuem ampla distribuição latitudinal e longitudinal. Estas algas são divididas em dois grupos morfo-funcionais: geniculadas e não-geniculadas. Em Arraial do Cabo (RJ), bancos de algas calcárias de vida livre formado por algas geniculadas e não-geniculadas foram encontrados em 4 à 10 metros de profundidade em duas enseadas. Os bancos são formados por Amphiroa beauvoisii, Jania adhaerens, Pneophyllum conicum e Sporolithon sp., que possuem distribuição vertical distinta no ambiente. Com o objetivo de avaliar a eficiência fotoquímica de algas calcárias com distribuição distintas no banco, foram realizados dois experimentos manipulativos em laboratório. Um experimento preliminar de luz e temperatura foi realizado com J. adhaerens. No segundo experimento, as algas, exceto J. adhaerens, foram mantidas em aquários a 21ºC, expostos a 150 umol de fótons em um fotoperíodo de 12h. A capacidade fotoquímica foi comparada entre os táxons por fluorometria PAM (n=10) usando curvas rápidas de resposta à luz (RLC) nos 3º, 6º e 13º dias de cultivo. Parâmetros obtidos das regressões das RCLs em cada réplica (ETRm, Ek, alfa e beta) foram comparados por ANOVA entre espécie e dia de cultivo em linguagem R. As análises revelaram que A. beauvoisii apresentou melhor performance de resposta a luz em condições constantes de cultivo (maiores valores em ETRm, Ek e alfa), indicando que isso seja um caráter constitutivo. O parâmetro beta, que indica fotoinibição à intensidades maiores de luz, mostrou redução e recuperação ao longo dos dias de cultivo para todos os táxons. Os dados foram analisados em Cluster havendo agrupamento dos taxa do grupo não-geniculado em relação aos 3 dias de medições. A. beauvoisii e J. adhaerens não apresentaram agrupamento, porém os dados de J. adhaerens foram obtidos em cultivo com tratamentos diferentes das demais amostras.
URI: http://repositorio.mar.mil.br/handle/ripcmb/844596
Aparece nas coleções:Ciência, Tecnologia e Inovação: Coleção de Artigos



Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.