Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.mar.mil.br/handle/ripcmb/844718
Título: Biomassa fitoplanctônica e produção primária
Autor(es): Gonzalez Rodriguez, Eliane
Rodrigues, Silvana Vianna
Marinho, Marcelo Manzi
Carvalho, Wanderson Fernandes de
Pinto, Fernando Neves
Paranhos, Rodolfo
Palavras-chave: V – CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO
V2 - BIOTECNOLOGIA MARINHA
BIOMASSA
PRODUTIVIDADE PRIMÁRIA (BIOLOGIA)
CLOROFILA
CAMPOS, BACIA DE (RJ e ES)
Data do documento: 2017
Editor: Elsevier
Descrição: A caracterização da variabilidade espaço-temporal da biomassa fitoplanctônica e da produtividade primária da Bacia de Campos foi observada durante duas campanhas oceanográficas realizadas entre março e abril (período chuvoso) e agosto e setembro (período seco) de 2009. Durante estas campanhas foram coletadas amostras na superfície e na base da camada de mistura em cinco transectos no período chuvoso e quatro no período seco, cujas estações variaram entre 25 e 3.000 m de profundidade. A concentração de clorofila a total (mono- e divinil-) apresentou um gradiente decrescente do continente para a região oceânica, variando de 0,20 a 1,80 μg·L−1 e 0,10 a 7,83 μg·L−1 na região nerítica e nos períodos chuvoso e seco, respectivamente. Na região oceânica a concentração variou entre 0,04 e 0,33 μg·L−1 em ambos os períodos do ano. A divinil-clorofila a foi detectada em grande parte da Bacia de Campos com concentrações variando até 0,15 μg·L−1 e apresentou padrão de distribuição inverso ao da clorofila a total, com gradiente longitudinal crescente ao longo da região oceânica, chegando a representar 40% da clorofila a total nessas regiões. A produtividade primária foi avaliada por meio de experimentos in situ simulados para a construção das curvas de luz-fotossíntese e consequente estimativa dos parâmetros fotossintéticos, que foram utilizados para o cálculo da produtividade primária integrada na zona eufótica. Os valores de produtividade primária variaram de 0,07 a 1,56 gC·m−2·d−1 no período chuvoso, e de 0,34 a 0,57 gC·m−2·d−1 no período seco, não havendo diferença significativa entre os dois períodos. Os resultados obtidos confirmam a característica oligotrófica da região da Bacia de Campos, com exceção das regiões próximas de Cabo Frio e Cabo São Tomé, que estão sujeitas à influência de feições oceanográficas que aportam nutrientes.
URI: http://repositorio.mar.mil.br/handle/ripcmb/844718
Aparece nas coleções:Ciência, Tecnologia e Inovação: Coleção de Artigos

Arquivos associados a este item:
Não existem arquivos associados a este item.


Os itens no repositório estão protegidos por copyright, com todos os direitos reservados, salvo quando é indicado o contrário.